sábado, 14 de setembro de 2013

POEMA Nº 099 - DESERTOS...

Coração sangra tuas ausência
A alma chora  tuas distância...
A solidão do corpo,
Grita o teu.
Secura da boca
Que não encontra a tua!
Em desertos vagueia o meu eu:
Pobre, solitário, sem esperança,
De voltar a te encontrar
Um dia...
Caminhos que me levam a você
Tornaram-se obscuros.
Distância dilacera
O coração sofrido
Mergulhado na incerteza
Deste amor...
Tão improvável.



Autoria: Lavínia Andrill
Arquivo: Internet
Arquivo: Mulher 186

3 comentários:

  1. Que maravilha de poema, menina! Nada melhor para nominar ausências e distâncias do que os "desertos"... Um grande abraço, grande poetisa!

    ResponderExcluir
  2. Gostei Lavínia! Tem fluidez, quase se o lê de uma unica vez como uma única frase completa em si mesma. E eu gosto de texto assim. Tira as paradinhas para compreender e faz com que nosso raciocínio em cima do que lemos seja desenrolado enquanto lemos. Gostei muito.

    ResponderExcluir
  3. pureza ... sentimento... beleza. Amei Obrigada.

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para mim! Obrigada por comentar!