domingo, 15 de maio de 2016

VOLTASTE - GISELA JOÃO





UMA BOA CANÇÃO! UM BELO FADO!

POEMA 248 - CARNALIDADES


Se, dentre tantas outras irmãs do vício,
Que na sarjeta se atiram, almas profanas,
Prenhezes de carnalidades e precipícios,
Paixão da lascívia fome humana!
A mulher-dama é muito mais Dama!
Vícios lascivos, insaciáveis,
Consomem as carnes e corrompem os sentidos,
Desvairados, incontidos, numa dança louca,
Onde deuses e demônios proibidos
Tentam lhe possuir... boca a boca.
Morre a Dama, nasce a Puta...
A quem se entregar, senão àquele
Que maior prazer proporcionar:
fogo, luxúria e libido!
Deixando marcas sobre a pele
Prazer intenso, desmedido!
No corpo e na alma da mulher
Que se sente Deusa e nasce Santa
Que vive e morrerá como bem quer
Santa ou Puta!
Quando a matilha se levanta
Apenas para o deleite dos perdidos
Em todos os seus cinco mil sentidos!
Puta e Santa!





Autora: Lavínia Andrill, com uma pitada dos ANJOS URBANOS
TELA: Iwona Wierkowska

POEMA 247 - LUXÚRIAS E LOUVORES

Palavras rasgadas em pecados
de gozos e taras e rezas pagãs,
afloram-me à boca
em êxtase e cumplicidade.
Gosto das palavras vis,
num conluio  sedutor
de uma língua louca
de uma atrevida boca
que reza e peca
e se mostra serpente,
e lambe, e provoca, quente,
e toma a si
toda lubricidade
de um tenro botão... rosado
- ás vezes se mostra... se esconde, às vezes -
entre dobras e peles.
E se enlouquece e se explode
em frêmitos e quasares.
Fonte secreta de promessas e delícias
- a mulher traz entre as pernas -
Fogo que apaga
toda paixão desvairada.
Botão em flor
Que enlouquece e fode
em luxúria e louvor!



Autora: LavíniaAndrill
Tela: Iwona Wierkowska

POEMA 246 - MORDAÇA

E esta mordaça que ata machuca e apaga
o grito que não se solta.
E provoca os sentidos
Ensandecidos. Incontidos.
Mas, a palavra não aborta
o verbo desejado, buscado.
Não encontrado.
A mordaça, ata.
Mas, a alma rebela e no peito um grito,
rouco, insano, debate.
Não se solta.
Explode
pelos poros e dedos e unhas e dentes.
Não encontra eco nem sentido nem verdade
porque a mordaça não desata.
À  garganta, retorna o grito.
Retorna e morre... lentamente.
E entrega-se ao vácuo
de um coração
que já não se mostra.


Autora: LavíniaAndrill
Tela: Viktor Sheleg