quinta-feira, 22 de agosto de 2013

POEMA Nº 073 - TEUS OLHOS

Sento-me frente a ti...
Teus olhos subtraem-me do nada
Tão translúcidos!
Tão fatais estes teus olhos!
Resistir, não há como!
Prendem-me. Mergulho neles.
Não há mistérios nestes teus olhos.
 Eu os desvendei.
 Um a um.
Teus olhos, faróis dos meus descaminhos.
Da minha alma insólita, inquieta, ambivalente.
 Louca!
Meninos travessos que brincam
Decifrando meus obscuros quereres
E saciá-los...
Como se fossem dois mancebos a servir-me
Infinitamente. Sem tréguas.
Teus olhos...
Meus. Tão somente, meus!
Quedo-me neles.
Querubins de mim!
Teus olhos, minha perdição!
Teus olhos, minha salvação!
Teus olhos...
Tão servis...
Tão meus.


Autoria: Lavínia Andrill
Imagem: Internet
Arquivo: HOMEM 1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para mim! Obrigada por comentar!