sexta-feira, 29 de julho de 2016

POEMA 255 - DO DEUS DE MIL FACES, ESCRAVA

O deus de mil faces, espreita-me,
nas ruelas e becos das minhas andanças
e cobra seu dízimo, inclemente.
O deus de mil faces
não me ama. Sou rês desgarrada, amaldiçoada.
Na sua teia, acorrentada!
O deus de mil faces
 me despreza, me odeia.
Joga-me à sorte de um pressago destino
e não me perdoa as vidas pregressas
de tantas idas e voltas. Incertas.
Não me perdoa os vis pecados, os vícios abjetos, os desejos profanos
que tanto aprazem a minha alma lasciva-mundana!
O deus de mil faces
traz tormentos a minha alma
Nega-me o éden
condena-me ao inferno.
E não me salva!
Mas, não me importa! Rendo-me a ele.
 Sou sua escrava eterna. Por eras e eras.
O deus de mil faces
não tem olhos, não tem ouvidos, não tem coração...
Não tem face.
E nem me ama.


Autora: Lavínia Andrill
Imagem: Internet


Um comentário:

  1. Querida Lavínia Andrill ler estes poemas é viajar ao teu lado e conhecer um caminho marcado tanto pelo viés poético que tens na alma como nuances íntimas que surgem na margem obscura deste caminho a qual nos convida a conhecer. Fico feliz com esta tua realização pessoal. Parabéns!

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para mim! Obrigada por comentar!